O que é depressão animal e como identificá-la.

Classificação:
5/5
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Pets com depressão animal

O que é depressão animal e como identificá-la

Reformas, mudanças, a chegada de um novo membro ou até um falecimento na família podem ser motivos de stress e até doenças no pet como a depressão animal.

A chegada de um animalzinho na casa é uma grande alegria.
Nossa rotina muda e nos adaptamos para receber esse pequeno ser que depende única e exclusivamente do seu dono.

Nos esforçamos para brincar, dar atenção, levá-los nas viagens, comprar brinquedos e petiscos e muito mais que a industria pet hoje dispõe.

Mas dispomos da mesma atenção e cuidado quando algo diferente acontece?

Seja uma reforma curta ou a perda de um ente querido, ou a chegada de um bebê, assim como nós eles também são impactados.

Segundo os biólogos da Universidade de Colorado (USA), há evidencias decerto que os animais tem sentimentos comuns a nós humanos.

Dito isso que comportamento e até doenças nossos pets podem adquirir com mudanças bruscas?

Embora façamos de tudo a fim de vê-los bem, é necessário cuidado em alguns casos para não haver mudanças de comportamento.

Além de poder demonstrar desvios de atitude, como fazer xixi fora do lugar, uivar, rasgar ou comer objetos.

Eventualmente ele pode ficar triste, igualmente apático ou não querer nem passear.

É ai que o caso se complica um pouco, pois pode ser uma depressão animal

NÃO, você não ouviu errado, eles também podem adquirir doenças de características psicológica como a depressão.

Assim como mudanças bruscas, fobia e ansiedade podem estar associadas ao desenvolvimento do quadro de depressão.

Em pensar que este tema tão comum a nós humanos é um tabu para os profissionais que estudam os animais e já foi considerado um mito.

Mito inegavelmente quebrado através de vários estudos que são hoje realizados para entender os animais.

Como o estudo realizado pela Universidade de Bristol (USA), que usa métricas humanas para analisar o comportamento dos peludos.

E o estudo apresentado pelo jornal Biology Letters afirma que eles estão suscetíveis e vulneráveis a perdas e traumas.

Salvo que sem distinção de raça.

cao doente

Resumo das principais causas

Principais sintomas

Mudança de ambiente;
Chegada de um novo pet ou bebê;
A perda de um membro da família;
Traumas (cirurgias ou acidentes);
A falta do passeio para queima de energia;
Excesso de tempo deixado sozinho;

Ansiedade;
Perda de apetite;

Agir de modo atípico;
Automutilação;
Tristeza / Desânimo;
Apatia / Sensível ao toque (Quer evitar a todo custo).

Mas o que fazer em caso de depressão animal?

Devastadora e cada vez mais freqüente no mundo pet é importante que os donos dos pets estejam atentos a essas características.

Quando notado este perfil é necessária a avaliação de um veterinário.

Este então terá o conhecimento necessário para diagnosticá-lo e diferenciar de outras doenças que podem apresentar sintomas similares.

Diferentes medicações e atividades podem ser recomendadas.
Isso dependerá da doutrina do profissional de saúde animal e intensidade da doença do animal.
Cão sendo medicado com flora
Medicações homeopáticas ou alopáticas, ligada a atividades físicas podem surtir grande resultado na cura de uma depressão animal.
Mas em casos extremos pode ser necessário o uso de antidepressivos e terapias especiais, como sessões terapêuticas.
Nada que não possa ser resolvido com uma disposição de tempo, muito carinho e “lambeijos”.
Já vimos que a atenção do dono faz toda a diferença para que o animal não sofra.
Mas é sobretudo importante dizer que há como prevenir.

Veja também

Prevenção da depressão animal.

Claro que há casos em que seus donos não podem controlar como a perda de um membro na família.
Mas entretanto há outros cuidados que se pode adotar na rotina que pode favorecer o cão.
Assim ele irá continuar estável, feliz e confiante.
Como evitar mudanças muito radicais e tentar suavizar essa mudança.

Talvez apresentando o novo espaço em caso de mudanças ou inserindo o cheirinho do bebe ou novo pet em caso de um novo membro na família.

E lembrar sempre de que o animal precisa de um pouco do seu tempo, para passear, brincar, receber carinho.

Precisa existir uma rotina para que o animal não seja deixado de lado. 

Afinal é uma responsabilidade que assumimos ao comprar ou adotar o pet.

Há também brinquedos interativos para os momentos em que não estaremos presentes e o cão ficará sozinho.

Brinquedo Interativo para caes
Passeando com caes

E se possível usufrua de serviços como dog Walker e Pet Anjo que dispõe de profissionais por todo o Brasil.

São serviços personalizados de atenção e cuidado ao peludinho enquanto você não está.
Afinal ele merece!

E aproveite sempre que estiverem juntos!

cao feliz com uma flor

Deixe seu comentário