Crianças lêem para cães e gatos em abrigos

Classificação:
5/5
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Crianças lêem para cães e gatos em abrigos e os ajudam a superar abandono

Quem não se acalma com uma boa estória? Ajuda as crianças a dormir, mas  também a sossegar os animais. Uma voz meiga e doce pode fazer grande transformação na vida de bichos abandonados. 

Um bom exemplo a ser seguido vem do abrigo  Shelter Buddies Reading Program, localizado no Estado de Missouri (EUA). A ideia da instituição foi levar crianças para ler para os cães abandonados e que sofreram maus tratos. São animais à espera de uma família e que precisam ser socializados. 

Dessa forma, é possível ajudar os cachorros  que passaram por traumas e o próprio abandono. Muitos cães tornam-se medrosos e até mesmo tímidos. Além disso, a ação também visa facilitar a adaptação do convívio com seres humanos ao despertar a confiança dos bichinhos. O que ajuda no processo de reintegração,  para depois encaminhá-los à adoção.

Inicialmente, as crianças passam por um treinamento de dez horas, para só depois ter o convívio com os animais. Sentam-se à frente do canil e fazem a leitura. Geralmente de um pequeno livro. Com a voz meiga e doce própria das crianças, o cães têm recebido muito bem essas visitas. Os animais se mostram confortáveis, facilitando a interação mais tranquila com os humanos.

Ler para os gatos incentiva crianças a ganhar prêmios

Enquanto isso, já na Pensilvânia, a leitura está direcionada aos gatos. Meninos e meninas lêem suas estórias preferidas para os bichanos. O Programa denominado Book Buddies, convida alunos de 6 a 13 anos a irem ao abrigo ler para os animais que estão à espera de um novo lar.

Criado pelo abrigo Berks County Rescue League (Liga de Resgate Animal do Condado de Berks), o projeto incentiva a adoção e tem por objetivo socializar e acalentar os animais, já que o número de bichos abandonados é maior que o de novos lares. Enquanto não conseguem uma nova família, pelo menos têm o convívio humano mais estimulado. 

Para os pequenos narradores a experiência ajuda, ainda, aos que têm medo de animais. Por outro lado, também ensina desde cedo a respeitar esses pequenos seres. Além disso, os participantes treinam a narração em voz alta e concorrem a prêmios de leitura.

Deixe seu comentário