A arte da Capoeira: patrimônio imaterial da humanidade

Classificação:
5/5
Além de ser uma luta e fazer bem pra saúde, a capoeira é patrimônio cultural e instrumento de educação na formação de crianças e adolescentes.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
A arte da Capoeira: patrimônio imaterial da humanidade

Uma das mais ricas expressões da cultura brasileira, a Capoeira – considerada Patrimônio Cultural – está presente em países de todo o mundo. Ela é responsável por exportar a nossa cultura por meio de apresentações que misturam a ginga e a musicalidade. A capoeira também tem sido discutida como instrumento que pode contribuir na formação cultural e na educação de crianças e jovens.

Arte marcial, esporte, cultura popular, dança e música compõem a capoeira, mas é a música que a distingue de outras lutas e decide o ritmo do embate. A ginga, as cantigas, os instrumentos e toda beleza desta arte brasileira, atrai admiradores da prática, no Brasil e no exterior, interessados na história dessa genuína forma de expressão.

A capoeira surgiu no Brasil em fins do Século XVI, no Quilombo dos Palmares, em Pernambuco, como uma forma de resistência dos escravos trazidos da África na época colonial. Da mesma forma que era utilizada para defesa, também era uma maneira de preservar a identidade dos escravos africanos.

Para disfarçar a luta e resistir à repressão da Polícia Imperial e da Milícia Republicana, os negros introduziram mímicas, danças e músicas na capoeira.

No entanto, a prática da capoeira foi proibida no Brasil até meados de 1930. Conta-se que nessa época, mestre Bimba, da Bahia, fundador da primeira academia de capoeira no país, fez uma apresentação da luta para o presidente da República Getúlio Vargas. Depois disso, Getúlio a reconheceu como esporte nacional, hoje um símbolo da identidade brasileira.

Capoeira na sala de aula

Por outro lado, educadores têm discutido e visto na prática das escolas que inseriram a capoeira como atividade no currículo, a contribuição desta e de outras manifestações culturais no ambiente escolar. Em outras palavras, a capoeira reflete positivamente na disciplina, na auto-estima e na maior integração do aluno no ambiente educacional.

Por exemplo, a prática dessa arte possibilita expandir o conhecimento dos jovens e crianças sobre as formas de manifestação da cultura brasileira. Além disso, contribui para melhorar a qualidade de vida desses alunos. E, mais importante: com a prática da capoeira se aprende a lutar, jogar, cantar, tocar e brincar, além dos ganhos em maior flexibilidade, saúde e resistência física.

Capoeira: patrimônio cultural brasileiro

Praticada em mais de 150 países, desde julho de 2008 a Capoeira foi registrada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. Tendo sido aprovada a inscrição do Ofício dos Mestres de Capoeira no Livro dos Saberes e da Roda de Capoeira no Livro das Formas de Expressão, do Patrimônio Imaterial brasileiro.

O Registro foi uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e do Ministério da Cultura e fez da capoeira a 14ª expressão artística do Brasil registrada como patrimônio imaterial. A Capoeira figura, assim, ao lado da ciranda de roda, do acarajé, das panelas de barro do Espírito Santo e do frevo, como um bem cultural brasileiro. Ela reúne harmonia, arte, música, poesia, folclore, artesanato, esporte, diversão, dança, jogo, luta, rituais e tradição, em uma das mais genuínas expressões da nossa cultura popular.

Já em novembro de 2014, a Roda de Capoeira recebeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Veja também

Deixe seu comentário